BACK

Por que as pessoas totalmente vacinadas ainda estão pegando a COVID-19?

This article was published on
July 27, 2021

This explainer is more than 90 days old. Some of the information might be out of date or no longer relevant. Browse our homepage for up to date content or request information about a specific topic from our team of scientists.

À medida que a variante Delta se torna dominante em todo o mundo, há relatos internacionais e australianos de pessoas totalmente vacinadas que ainda estão se infectando com COVID-19. Estas chamadas "infecções revolucionárias" levantaram questionamentos sobre a eficácia das vacinas. Os dados de alguns países com altas taxas de vacinação agora estão também mostrando mais casos semanais de COVID-19 em pessoas vacinadas do que em não vacinadas - isso significa que as vacinas não estão funcionando? Abaixo os especialistas australianos respondem.

À medida que a variante Delta se torna dominante em todo o mundo, há relatos internacionais e australianos de pessoas totalmente vacinadas que ainda estão se infectando com COVID-19. Estas chamadas "infecções revolucionárias" levantaram questionamentos sobre a eficácia das vacinas. Os dados de alguns países com altas taxas de vacinação agora estão também mostrando mais casos semanais de COVID-19 em pessoas vacinadas do que em não vacinadas - isso significa que as vacinas não estão funcionando? Abaixo os especialistas australianos respondem.

Publication

What our experts say

Context and background

Resources

Professor Ian Marschner

Professor de Bioestatística do Centro de Ensaios Clínicos do Conselho Nacional de Saúde e Pesquisa Médica da Universidade de Sydney

,

A Universidade de Sydney

Conflito de interesses: Nenhum

Citação fornecida pelo Australian Science Media Centre

A vacinação não elimina a infecção, mas diminui drasticamente a infecção grave e a morte. Países com altas taxas de vacinação, como Israel, logicamente terão mais infecção entre as pessoas vacinadas porque a maioria das pessoas está vacinada. De fato, se um país tiver uma taxa de vacinação de 100%, então 100% das infecções ocorrerão em pessoas vacinadas. Isto não significa que a vacina não esteja funcionando. Pelo contrário, significa que muitas hospitalizações e mortes estão sendo evitadas.


Professor Associado Paul Griffin

Diretor de Doenças Infecciosas da Mater Health Services e Professor Associado de Medicina

,

Universidade de Queensland

Conflito de interesses: Paul está realizando vários estudos de vacinas para a covid-19. Ele também participa de vários conselhos consultivos do setor, incluindo o da AstraZeneca.

Citação fornecida pelo Australian Science Media Centre

Surtos de novas infecções não devem ser vistos como uma perda dos benefícios dessas vacinas altamente eficazes. Como sabemos que a proteção geral contra a morte está perto de 100% e que contra a infecção sintomática, na ordem de 70 a 90%, elas também reduzem a chance de infecção.


Dado que não há 100% de proteção, por definição, isso significa que as pessoas vacinadas ainda podem ser infectadas. É provável que essas infecções súbitas sejam muito menos graves do que teriam sido se o indivíduo não tivesse sido vacinado e também é menos provável que as transmitam a outras pessoas.


Pode parecer confuso que, quando o número de pessoas vacinadas aumenta, o número de casos em pessoas totalmente vacinadas também aumente, embora seja muito menor do que teria sido se a taxa de vacinação não fosse alta e, proporcionalmente, é muito menor.


As pessoas que estão totalmente vacinadas em alguns países também têm uma probabilidade um pouco maior de serem infectadas, justamente porque gozam de mais liberdades do que suas contrapartes não vacinadas. Elas também podem ter sua percepção de risco reduzida e, portanto, tornarem-se menos propensas a adotar outras estratégias para se proteger, tais como distanciamento social, higiene das mãos e uso de máscaras, por exemplo.


O ideal, é claro, seria ter uma vacina que evitasse 100% das infecções, mas é improvável que isso seja possível (embora haja trabalho em andamento para desenvolver vacinas que possam fazer isso, pelo menos, um pouco melhor). Portanto, é provável que, além de vacinas, como as altamente eficazes já em uso, vamos exigir algumas estratégias básicas de mitigação adicionais, como uso de máscara, higiene das mãos, distanciamento social e altas taxas de testes para garantir que possamos viver com o vírus e minimizar seu impacto em nossas vidas e nossos meios de subsistência no dia a dia.


·         O que são surtos de infecções?


A menos que uma vacina impeça a transmissão em 100% das vezes (o que é essencialmente impossível; a vacina da poliomielite talvez seja a que mais se aproxima disso), então ainda continua sendo possível que os indivíduos vacinados sejam infectados. Isto é conhecido como surto de infecções. É importante compreender, porém, que isso não representa ineficácia da vacina, por muitas razões, e que, mesmo que ocorram surtos de infecções, a probabilidade de contrair a infecção é ainda menor nas pessoas que foram vacinadas do que nas que não foram.


Enquanto ocorrem surtos de infecções, indivíduos totalmente vacinados são:


menos propensos a desenvolver sintomas da doença;


muito menos propensos a desenvolver a doença de forma grave;


quase totalmente protegidos da morte;


menos propensos também a transmiti-la para outras pessoas.


Um paradoxo importante a ser entendido é que, embora permaneça claro que indivíduos totalmente vacinados têm menos probabilidade de contrair a infecção, uma vez que a proporção de pessoas vacinadas em uma população aumenta, é provável que ocorram mais casos em indivíduos vacinados do que não vacinados. A taxa de infecção naqueles que são vacinados permanecerá mais baixa do que naqueles que não são, mas como há muito mais pessoas vacinadas, mesmo uma taxa mais baixa acabará com números maiores neste grupo do que aqueles que não foram vacinados. Isso não é prova de que a vacina não funciona, mas apenas de que o denominador foi alterado.


Ao comparar as taxas de infecção entre indivíduos vacinados e não vacinados, também precisamos levar em consideração as mudanças no comportamento entre os dois grupos. Uma vez que as pessoas estejam vacinadas, certamente sua percepção do risco da doença será reduzida, portanto, é menos provável que elas mantenham todas as outras medidas para se protegerem. Também estamos vendo muitos países permitirem corretamente liberdades adicionais para as pessoas vacinadas, de forma que elas possam se locomover e interagir com mais pessoas. Isso significa que elas realmente aumentam o risco de contrair a infecção em relação às não vacinadas, o que significa que, se não estivessem protegidas pela vacina, teriam uma taxa muito maior de infecção e complicações que se seguem a isso.


·         Quais são os dados do mundo real de países com altas taxas de vacinação que nos mostram a capacidade das vacinas de prevenir todas as infecções em comparação com infecções graves/mortes?


A eficácia e efetividade mais discutidas estão relacionadas à doença sintomática comprovada. Não porque esse seja o único efeito da vacina, mas principalmente porque esses foram os resultados primários medidos nos ensaios clínicos. As reduções nas infecções são mais difíceis de medir, então, por algum tempo depois que os promissores resultados dos ensaios clínicos de vacinas começaram a aparecer, ainda tínhamos que dizer que ainda não sabíamos o quanto as vacinas reduziriam a infecção. Infelizmente, alguns interpretaram como se tivesse sido dito que vacinas não previnem a infecção, o que não é o caso. A forma pela qual atualmente sabemos que vacinas reduzem infecções inclui:


Estudos com animais que demonstraram reduções nas taxas de infecção e na quantidade de vírus produzidos nos animais que foram infectados, dos quais alguns se aproximaram de 100%;


Estudos de transmissões em família, nos quais as taxas de transmissão foram comparadas entre indivíduos vacinados e não vacinados, tipicamente demonstrando reduções entre 40% e 60%;


Medição de infecções assintomáticas, que reduziram entre 60% e 90%;


Medição da quantidade de vírus detectável em indivíduos infectados. As reduções na disseminação do vírus são úteis como reduções substitutas (não sendo evidência definitiva) de transmissão, e diversos estudos indicaram que vacinas causam tais reduções em torno de 50% a 67%.


Também é válido concluir que, se os sintomas em pessoas vacinadas forem vistos em menores quantidades e durações, e algumas dessas pessoas contribuem para a capacidade de transmissão, tossindo, por exemplo, logo pessoas vacinadas são menos propensas a transmitir.


·         Será necessário manter medidas de restrição na Austrália devido aos avanços na infecção?


Levando em conta que vacinas não previnem infecções 100% das vezes, é muito provável que será necessário continuar com algumas das estratégias de mitigação pelos próximos tempos. Isso pode significar que podemos aumentar o impacto da vacinação em proteger de infecções as pessoas vulneráveis nas comunidades, ao manter, também, algumas das medidas preventivas fundamentais que já vimos sendo usadas com grande sucesso antes de termos acesso às vacinas. Isso inclui distanciamento social, higiene das mãos, testagem e isolamento até que haja recuperação em caso de sintomas respiratórios, bem como o uso de máscaras em situações de alto risco como viagens aéreas ou em pessoas que, por algum motivo, não podem ser vacinadas. Logo, embora o objetivo atual não seja a erradicação, com medidas preventivas que deveriam impactar minimamente no dia a dia das pessoas, deve-se esperar um alto nível de controle. Se tivermos uma quantidade suficiente de pessoas vacinadas, medidas mais drásticas, como confinamentos e restrições domésticas, não deverão mais ser necessárias.


·         Os avanços nas infecções levam ao surgimento de novas variantes?


Para que ocorram mutações que resultem em novas variantes, o vírus precisa se reproduzir em um hospedeiro, ou seja, pessoas infectadas. Quanto menos hospedeiros suscetíveis, menor a probabilidade de surgimento dessas mutações. Certamente, avanços nas infecções significam que o risco de surgimento de novas variantes provavelmente nunca cairá para zero, mas quanto mais pessoas vacinadas, menos oportunidades terá para que essas novas variantes surjam.


·         Em que os avanços das infecções implicam na forma como a Austrália viverá com a covid no futuro?


Na minha opinião, isso significa que nós precisamos aprender a conviver com o vírus. Precisamos ter como objetivo controlá-lo da melhor forma possível para que o impacto do vírus em si, e as medidas preventivas necessárias para controlá-lo, tenham o mínimo de impacto em nosso dia a dia. Acredito que a melhor forma de fazer isso será atingir a maior taxa de vacinação possível e permitir que pessoas completamente vacinadas possam desfrutar das liberdades adicionais que merecem, levando em conta que estejam protegidas. Também será necessário usar estratégias básicas para reduzir a transmissão, incluindo higiene das mãos, distanciamento social, máscaras e altas taxas de testes para que possamos monitorar onde os casos de infecção estão e reduzir suas oportunidades de propagar mais o vírus. Isso, junto com tratamentos melhores que esperamos que não estejam muito distantes, deve significar que, embora precisemos estar sempre alerta, esperamos ganhar uma vantagem e minimizar o impacto dos avanços do vírus.


Dr. Roger Lord

Palestrante sênior (Ciência da Medicina) pela Faculdade de Ciência da Medicina da Universidade Católica Australiana e pesquisador visitante pelo The Prince Charles Hospital (Brisbane)

Conflito de interesses: Nenhum

Citação fornecida pelo Australian Science Media Centre

Infecções de covid-19 estão em alta novamente em muitas regiões do mundo. Esses avanços nas infecções não são uma falha, mas sim uma limitação nas vacinas de covid-19 disponíveis, afinal, nenhuma delas tem eficácia de 100%.


Além disso, nada correlacionado à proteção (nível de concentração de anticorpos e/ou ativação de células T necessárias para a proteção) existe atualmente para indicar qual concentração é necessária para indicar proteção a longo prazo, seja se isso foi alcançado em algum indivíduo específico ou quanto tempo isso durará. A vacinação em si não equivale à imunização.


Não surpreende o fato de que em países onde há maiores quantidades de vacinação, a covid-19 foi contraída por mais pessoas vacinadas do que não vacinadas. Por exemplo, se 80% da população for completamente vacinada e 20 % não for vacinada, logo, estatisticamente, mais pessoas vacinadas podem contrair covid-19.


A mensagem de importância é que, enquanto uma pessoa ainda pode contrair covid-19 após uma campanha de vacinação, os sintomas demonstrados não serão mais tão severos e será menos provável que causem hospitalização.


Esse é o caso, certamente, no Reino Unido, onde as taxas de vacinação têm sido altas.


O número de casos de covid-19 no Reino Unido está aumentando devido ao surgimento da variante delta, porém, a quantidade de pessoas precisando de hospitalização continua baixa entre as pessoas vacinadas.


Na Austrália, onde as taxas de vacinação ainda estão relativamente baixas, a transmissão de covid-19 ainda é baixa e não vai reduzir até que uma parte maior da população seja vacinada.


Até que um percentual significativo da população esteja vacinado, confinamentos frequentes serão coisa do passado. Até que isso ocorra, as pessoas precisarão continuar a usar máscaras para ajudar a conter a ampla transmissão do vírus na comunidade.

Media briefing

Media Release



Expert Comments: 

No items found.

Q&A

No items found.